Ainda não há comentários

SOLA FIDES

Gálatas 2.16: […] também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado.

Qual seria sua resposta se Deus lhe fizesse a seguinte indagação: “Por que Eu deixaria você entrar no meu céu?”

Talvez você, e muitos outros, respondessem: “Eu fui uma pessoa boa”, ou “Eu não tive uma vida desordenada”; até mesmo “Dei esmolas e ajudei os necessitados” e “Frequentei uma igreja”. Todas essas respostas são equivocadas e revelam algo em comum – o desejo do homem em justificar-se diante de Deus por méritos próprios.

Foi exatamente isso que Martinho Lutero,  enfrentou na época da Reforma Protestante. Pregava-se que o homem podia justificar-se diante de Deus por meio de indulgências, uma espécie de carta de perdão, dada, obviamente, aqueles que podiam pagar por elas.

Convencido pela Palavra de Deus e indignado com a venda de indulgências, Lutero fixou na porta da igreja do castelo de Wittenberg, no dia 31 de outubro de 1517, suas 95 Teses. Deu-se início à Reforma Protestante.

O SOLA FIDES foi uma das verdades defendida pelos Reformadores. Nela, afirma-se, que ninguém pode ser justificado diante de Deus por méritos próprios, senão única e exclusivamente por meio da fé em Cristo.

O SOLA FIDES foi essencial à Reforma Protestante; ela é primordial nos dias atuais. Lutero condenou as indulgências ao entender que “O justo viverá por fé” (Rm. 1.17). Nós também, precisamos combater as modernas indulgências, reafirmando que o homem é salvo pela graça, por meio da fé somente.

Lic. Ricardo da Cruz Santana

Publicar um comentário