Ainda não há comentários

A Jactância – 2Tm.3.1-5

Vivemos dias difíceis no que concerne à criação de filhos. Muitos não querem ser pediatras ou educadores de crianças. Não por causa delas, mas dos pais. Estamos formando pais super protetores para com os filhos. Achando que estão fazendo o bem, estão destruindo suas almas. São jactanciosos.

O que significa jactância? É o exagero na maneira como se vê. Não permite ser avaliado por outro. É arrogância, soberba, orgulho. É alguém que se avalia com ares de superioridade (Pv.16.2; 21.2; 26.12; Mt.21.31,32). Por isso, não crie seus filhos achando que eles são superiores aos outros. Você tira a esperança espiritual deles.

Sendo assim, uma pessoa é jactanciosa quando ela costuma se comparar com outras pessoas (2Co.10.12,13; Lc.18.9-14). Também, ela é jactanciosa quando ela costuma pensar com sendo capaz de fazer coisas que estão além da sua capacidade (Tg.4.13-16). Acha que pode andar sozinha e chegar onde planeja. Faz planos alheio de Deus. Não faça planos jactanciosos ao redor de sua mesa. Você ensinará os seus a serem jactanciosos.

Ainda, uma pessoa jactanciosa é aquela que pensa que fez alguma coisa quando foi outra pessoa que fez (Ef.2.8,9). Deus não tem interesse nenhum em suas obras.

Por fim, uma pessoa jactanciosa quando exerce julgamento sobre outras (Mt.7.1-5). Quão julgadores somos sobre os feitos e palavras de outros. Quão terrível é sermos julgados por aquele que conhece tudo. Por isso, não critique as pessoas na mesa, diante de seus filhos. Eles vão aprender que devem fazer assim. Ensine-as a apreciar as pessoas.

Lembre-se: A jactância será a tônica dos últimos dias e do homem da iniquidade (2Ts.2.3,4). Por isso, considere os outros superiores a si mesmo (Fp.2.3). Não busque os seus próprios interesses (Fp.2.4), pois o egocentrismo é uma doença terrível. Não deixe que essas coisas atinjam a você e seus filhos (Tg.4.14-16). Ensine-os a servirem a Deus com seus dons e talentos sem preciosismo e arrogância (Mt.6.1-4). Saiba que é Deus que nos dá tudo (Rm.12.3).

Rev. Baltazar Lopes Fernandes | Publicado no boletim 1044 – 24 de Setembro de 2017.

Publicar um comentário